Archives

  • 2018-07
  • 2018-10
  • 2018-11
  • 2019-04
  • 2019-05
  • 2019-06
  • 2019-07
  • 2019-08
  • 2019-09
  • 2019-10
  • 2019-11
  • 2019-12
  • 2020-01
  • 2020-02
  • 2020-03
  • 2020-04
  • 2020-05
  • 2020-06
  • 2020-07
  • 2020-08
  • 2020-09
  • 2020-10
  • 2020-11
  • 2020-12
  • 2021-01
  • 2021-02
  • 2021-03
  • 2021-04
  • 2021-05
  • 2021-06
  • 2021-07
  • 2021-08
  • 2021-09
  • 2021-10
  • 2021-11
  • 2021-12
  • 2022-01
  • 2022-02
  • 2022-03
  • 2022-04
  • 2022-05
  • 2022-06
  • 2022-07
  • 2022-08
  • 2022-09
  • 2022-10
  • 2022-11
  • 2022-12
  • 2023-01
  • 2023-02
  • 2023-03
  • 2023-04
  • 2023-05
  • 2023-06
  • 2023-07
  • 2023-08
  • 2023-09
  • 2023-10
  • 2023-11
  • 2023-12
  • 2024-01
  • 2024-02
  • Outro grupo de trabalho analisou pares de g

    2024-02-09

    Outro grupo de trabalho analisou 8.503 pares de gêmeos dinamarqueses de meia‐idade (< 70 anos) e de idade avançada (≥ 70 anos). Foram criados dois grupos: 1) Os que tinham sido submetidos a pelo menos uma cirurgia (18 a 24 anos antes da avaliação cognitiva); 2) Os que não tinham sofrido qualquer intervenção cirúrgica. Além disso, os pacientes que foram operados foram divididos em quatro grupos: 1) Cirurgias major; 2) Artoplastias do joelho e anca; 3) Cirurgias minor; 4) Outras. Os resultados de cinco estudos cognitivos foram comparados entre os gêmeos. A genética e o ambiente enquanto confundidores foram avaliados numa análise intrapares de 87 pares de gêmeos monozigóticos e 124 dizigóticos do mesmo sexo em que um tinha história de cirurgia e o outro não. Os gêmeos que sofreram cirurgias major pontuaram ligeiramente pior nos mtor inhibitor de cognição comparados com os que não sofreram qualquer intervenção, no entanto os autores consideram a diferença como um efeito de tamanho negligenciável. Na análise intrapares o gêmeo exposto à cirurgia tinha pontuações mais baixas nos testes cognitivos em 49% dos pares. Os gêmeos com 70 anos ou mais que foram submetidos à artoplastia da anca e joelho tiveram pontuações superiores nos testes cognitivos, inclusive superiores àqueles que não sofreram qualquer intervenção. O estudo nota que as doenças subjacentes podem ser um fator de risco importante nas ligeiras variações da função cognitiva entre grupos cirúrgicos e não cirúrgicos e que a função cognitiva pré‐operatória pode ser um determinante mais importante do funcionamento cognitivo em idades mais avançadas do que a cirurgia e a anestesia. Outro estudo de coorte prospectivo que procurou avaliar a associação entre anestesia e demência ou doença de Alzheimer incluiu doentes com 65 anos ou mais sem demência (n=3.988) seguidos até ao desenvolvimento de demência, morte ou abandono. No início do estudo foi colhida informação relativa aos procedimentos cirúrgicos prévios sob anestesia geral ou do neuroeixo e novas intervenções foram reportadas a cada dois anos. Foi feita uma comparação entre pacientes submetidos a cirurgias de alto risco sob anestesia mtor inhibitor geral, outras cirurgias sob anestesia geral e outras cirurgias com anestesia do neuroeixo com pacientes que não foram sujeitos a intervenção cirúrgica e a anestesia. Durante o período de seguimento, 946 (24%) pessoas foram diagnosticadas com demência, 752 (19%) apresentavam doença de Alzheimer e 42% dos envolvidos alcançaram o fim do estudo sem qualquer diagnóstico de demência. O risco ajustado de demência não foi superior no grupo de pessoas com cirurgias de alto risco sob anestesia geral comparativamente com o grupo sem história de anestesia (HR=0,86; IC 95% 0,58‐1,28); o mesmo se verificou no caso de doença de Alzheimer (HR=0,95; IC 95% 0,61‐1.49). Os autores concluíram não existir associação entre exposição à anestesia e desenvolvimento de demência/doença de Alzheimer no adulto de idade avançada. Em 2016, investigadores da Clínica Mayo publicaram um novo estudo de coorte prospectivo, de base populacional, que visava a avaliar a associação entre exposição à anestesia geral após os 40 anos com a incidência de diminuição cognitiva ligeira em idosos. Foram selecionados indivíduos entre os 70 e os 89 anos (n=19.731) submetidos a várias avaliações neuropsicológicas no início do estudo e aos 15 meses e foram também recolhidos dados relativos à exposição à anestesia após os 40 anos. Dos 1.731 participantes, 536 (31%) desenvolveram diminuição cognitiva ligeira. A exposição à anestesia, o número de exposições e a duração da exposição cumulativa total não foram associadas a diminuição cognitiva ligeira. No entanto, numa análise sensitiva secundária, verificaram uma associação entre anestesia após os 60 anos e incidência de diminuição cognitiva ligeira (HR ajustado=1,25; IC 95% 1,02‐1,55; =0,04). Os autores não excluem a possibilidade de a exposição a agentes anestésicos numa fase de vida avançada poder estar associada ao aumento da taxa de incidência de diminuição cognitiva ligeira. No entanto, concluem não existir associação significativa entre exposição cumulativa à anestesia após os 40 anos e essa alteração cognitiva.